Estudos Económicos

Coordenador: Alves da Rocha

Relatório Económico de Angola

Este projecto visa apresentar uma análise, a mais exaustiva possível, da situação económica do país. Seus resultados são apresentados sob a forma de Relatórios Económicos Anuais, que costumam ser difundidos pelos mais importantes órgãos da Administração do Estado, representações diplomáticas, ONGs, Universidades e Centros de Pesquisa nacionais e estrangeiros, empresas nacionais e estrangeiras, estudantes, partidos políticos e associações empresariais. Para 2014, serão introduzidas as seguintes melhorias:

  • Novas metodologias de abordagem dos sectores agrícola e industrial;
  • Monografia económica da província do Bié;
  • Nova abordagem da política orçamental (avaliação dos seus impactos e da sua eficácia);
  • Introdução de uma nova temática relacionada com a ética empresarial e corporativa em Angola e em África; e
  • Aprofundamento do capítulo sobre o sector dos transportes.

Modelo Macroeconómico de Previsão (MODUCAN)

Este projecto é desenvolvido no âmbito do Programa CEIC-CMI. O seu objectivo é reforçar o sistema estatístico e metodológico de previsão em Angola no que diz respeito às variáveis macroeconómicas. Depois de resolvidas as vicissitudes que rodeavam a construção deste modelo, parece estarem criadas as condições para que, em 2014, se passe a dispor deste importante instrumento de análise e previsão do comportamento da economia angolana. É um modelo tipo IS-LM-BP, no qual se conjugam variáveis reais e monetárias e os componentes da Balança de Pagamentos. Como produtos principais, o modelo vai fornecer taxas de crescimento previsionais do PIB, a taxa de inflação, a taxa de câmbio e a taxa de juro de equilíbrio.

Relatórios de Energia

Este projecto tem dado resposta à necessidade de uma abordagem económica científica para sustentar o processo de desenvolvimento de um sistema energético integral, seguro e sustentável em Angola. Seus resultados são apresentados sob a forma de Relatórios de Energia Anuais. Ao mesmo tempo em que se centram na realidade energética de Angola, estes relatórios procuram integrar esta realidade na sub-região da África Austral, bem como na macroestrutura energética mundial. Para atingir estes objectivos conta com a colaboração de especialistas nacionais e estrangeiros nas áreas de petróleo, derivados, gás, electricidade, renováveis, regulação, etc. Estes relatórios são de grande interesse para o Governo, empresas petrolíferas produtoras, prestadoras de serviços, empresas de refinação e distribuição de derivados, de produção, transporte e distribuição de electricidade, renováveis, institutos de regulação, empresas de sectores não energéticos que dependam da estrutura energética, universidades e centros de estudos nacionais e estrangeiros, jornalistas, etc.

Relação entre crescimento económico e desenvolvimento social

Este projecto é desenvolvido em parceria com a Open Society Initiative of Southern Africa (OSISA). A mini-idade de ouro do crescimento económico angolano (2002-2003/2008) foi uma fase em que a taxa média anual de crescimento do PIB oscilou entre 14,8% e 17,3% e o PIB por habitante passou de 635 dólares em 2000 para 4.671 dólares em 2008. O paradoxo é que não foram registradas melhorias nas condições de vida da maioria da população em níveis compatíveis com estes valores. Durante este período, as desigualdades sociais aumentaram significativamente e a acumulação de riqueza acentuou-se e, curiosamente, não se conseguiram resultados visíveis e palpáveis na diminuição da corrupção.

Assim, pretende-se:

  • Relacionar o crescimento económico e algumas variáveis sociais;
  • Analisar a incidência do crescimento económico na repartição do rendimento nacional;
  • Analisar a incidência do crescimento económico sobre o índice de desenvolvimento humano; e
  • Analisar o comportamento das variáveis orçamentais relacionadas com a melhoria das condições de vida da população.

Os grandes desafios do crescimento económico de Angola até 2017: as componentes financeiras

Este projecto vem na sequência de outro estudo elaborado em 2012 e publicado em Outubro do mesmo ano sob a forma de um working paper  intitulado “Os Grandes Desafios do Crescimento Económico de Angola até 2017”. De acordo com as previsões de conceituadas instituições internacionais – FMI, Banco Mundial, The Economist Intelligence Unit – as receitas fiscais e externas (divisas) angolanas podem diminuir até 2017 devido à provável queda do preço internacional do petróleo. Assim, o objectivo deste trabalho é avaliar os impactos sobre o sector real da economia desta provável queda das receitas financeiras do país.

Modelo de previsão da inflação

Este projecto visa criar um modelo simples de previsão da taxa de inflação em Angola, mensal e quinzenal, com base nas informações oficiais disponibilizadas por meio do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) do Instituto Nacional de Estatística de Angola (INE). É conveniente à UCAN apresentar periodicamente – à semelhança de muitas outras universidades em diferentes países – o seu ponto de vista sobre o comportamento dos preços em Angola, já que se trata de uma variável de política económica com influências indeléveis sobre o nível de vida da população, a pobreza e a diferença de género.

[Ver publicações]